A pandemia do coronavírus vem impactando o abastecimento de diversos materiais ao redor do mundo desde o final de 2019, e o mercado de embalagens foi um dos maiores afetados. A queda de produção fez com que os insumos plásticos tivessem um aumento de mais 30% em seu valor, sendo ainda maior quando se trata de materiais importados. Ao mesmo tempo em que há menos insumos disponíveis no mercado, a necessidade de embalagens cresceu, já que houve um aumento significativo nas compras online.

As grandes operadoras logísticas multinacionais vêm sendo desafiadas para atender às necessidades de seus clientes devido à falta de insumos, e, a China, grande produtora da maioria deles, é a responsável pelo abastecimento mundial, mesmo nas atuais condições. Dos 10 maiores portos do mundo, 7 são chineses, sendo o maior deles o de Shanghai.

A China possui portos fluviais e marítimos, e, a ligação entre eles é feita através de importantes navios, os feeders. Os feeders são navios que possuem capacidade para acessar os portos menores e levarem os materiais que lá estão para os portos maiores. Eles fazem rotas secundárias, abastecendo os porta containers de última geração nos portos concentradores de cargas. Num país de dimensões e necessidade de transportes como a China, são fundamentais para a ligação entre diferentes locais.

Devido à pandemia, o governo chinês anunciou, no mês de dezembro, que as atividades dos feeders internacionais serão interrompidas nos portos do sul do país entre janeiro e fevereiro de 2021. Como durante todo o ano de 2020 houve aumento na demanda, esta pausa nas operações visa garantir que a tripulação possa tirar férias. A previsão é que tudo se normalize depois do Ano Novo Chinês.

A paralização trará grandes impactos no serviço oferecido pelos armadores. O planejamento prevê a finalização das entregas das cargas já em movimento em outros grandes portos do país. Uma alternativa para que os containers sejam entregues é a remoção dos mesmos em suas origens através do transporte terrestre, que levaria o material até outras regiões. Este processo causará uma oneração nos valores cobrados.

Esta interrupção dificulta ainda mais a importação de insumos plásticos para o Brasil neste momento. A normalização da entrega deverá ocorrer somente no mês de março de 2021, já que os feeders voltam a operar somente após o dia 21 de fevereiro. O aumento de custos será, de acordo com o estabelecido pelas companhias logísticas, do comprador da carga. Este valor poderá ser repassado ao consumidor final, bem como os ônus gerados pelo maior tempo de espera para receber os produtos.

https://blogdoplastico.wordpress.com/tag/distribuidores-de-resinas/

http://www.uezo.rj.gov.br/tccs/capi/GyseleOliveira.pdf

https://www.hapag-lloyd.com/pt/news-insights/news/2020/12/china—suspension-of-south-china-feeder-service-during–chinese.html

https://www.hensallglobal.com/blog/Temporary-Suspension-of-cargo-acceptance-to-South-China-during-2021-Chinese-New-Year-Holiday.htm

https://info.expeditors.com/operational-impact/feeder-services-suspension-121020

Escreva um comentário